segunda-feira, 12 de abril de 2010

Avião de vestir

O Puffin é prático, rápido e não-poluente. Pena que ainda não exista.

Quando o calendário chegou à marca psicológica do ano 2000, muita gente ironizou o fato de que os céus não estavam cheios de carros voadores, como em nove de cada dez representações do século 21 feitas até então.

A solução para isso pode ser o Puffin, um projeto da Nasa que pretende ser um avião compacto de decolagem e pouso verticais para uso pessoal nas cidades. O Puffin é feito de materiais compostos, é movido a eletricidade, tem alcance de 80 quilômetros e uma velocidade máxima prevista para 480 km/h. Ele leva apenas um ocupante e pesa cerca de 200 quilos.

Vejam o vídeo:



A Nasa anunciou o conceito em janeiro deste ano, e disse à Wired que testaria um modelo em escala do aparelho em março. Até agora, porém, a página do projeto no portal da agência espacial americana não tem nenhuma novidade nesse sentido.

O Puffin, que ganhou esse nome pela sua semelhança com um papagaio-do-mar, não é exatamente um avião bonito. Mas é um conceito novo e provocativo, e parece trazer praticidade à aviação sem deixar de apelar ao prazer de voar. Se o conceito rola ou não rola? Podem me pôr na torcida.

Marcadores: , ,

4 Comentários:

Anonymous Luciano Schüler disse...

Quem sabe sabe, quem não sabe, aplaude...

2:49 PM  
Blogger Lito disse...

Hummm....sorry, but: not gonna happen...I guess.
Pelo menos não em larga escala como esperaríamos.
A transição de voo vertical para horizontal não é bem resolvida neste modelo, apesar da animação 3D fazer parecer que sim. As hélices na mesma altura da cabeça do piloto não parece uma solução legal...rs.
A visibilidade para o pouso tb não parece muito bem resolvida, a não ser que o puffin seja cheio de eletrônica embarcada e autoland.
E por ultimo, já imaginou o largo 13 de maio infestado destes negocinhos querendo pousar? Seria uma cena lúdica..rs
Abraço.

6:52 PM  
Blogger F. Schuler disse...

Ah, claro. A minha "torcida", nesse caso, não tem nenhum compromisso com o realismo, que fique claro. Ela é conscientemente ingênua.

Aeronaves VTOL (pense no Harrier e no V-22 Osprey) são e sempre foram as mais complicadas de se pilotar, e têm alguns dos piores históricos de segurança da aviação. São relativamente umas maquininhas de fazer viúvas.

Além disso, o sonho de ir para o trabalho cruzando o céu da cidade parte do pressuposto de que não há tráfego ali em cima. Quem mora em SP e não é surdo pode deduzir pelo constante barulho de helicópteros que isso não é verdade. Seria complicado, portanto, congestionar ainda mais nossos corredores. :)

7:33 PM  
Blogger Lito disse...

Mas quem sabe um desses?
Também aumentaria o número de viúvas, mas...

http://www.avioesemusicas.com/aviacao/sensacional-quem-nao-quer-um-desses/

7:42 PM  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial